Home Opinião Polícia prende pela 3ª vez falso advogado por estelionato

Polícia prende pela 3ª vez falso advogado por estelionato

Homem se apresentava como advogado e pastor evangélico

A Polícia Civil da Paraíba, por meio da Delegacia de Defraudações (DDF) de João Pessoa, prendeu, na tarde dessa terça-feira (4), Francismárcio Monteiro da Silva, 39 anos, suspeito de praticar vários golpes na Capital. A prisão aconteceu em um quiosque no bairro de Brisamar, na zona Leste da cidade. A polícia chegou até o suspeito após investigar uma denúncia feita para o telefone 197, disque denúncia da Secretaria de Estado da Segurança e Defesa Social (Sesds).

 

De acordo com investigações, Francismárcio se apresentava como advogado e pastor evangélico e conseguiu fazer mais de 40 vítimas em João Pessoa, prometendo ingressar com ações judiciais de revisão de Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). Sempre bem vestido e apresentando argumentos convincentes para as vítimas, o suspeito recebia os valores das pessoas e depois desaparecia.

Francismárcio foi preso a primeira vez pela Delegacia de Defraudações e Falsificações de João Pessoa em janeiro de 2015. Na época ele foi denunciado por 10 vítimas que procuraram a polícia apresentando vários documentos que comprovavam a prática do crime de estelionato. A segunda prisão do falso advogado aconteceu sete meses depois, em agosto. Todas as duas prisões estavam relacionadas a contratos advocatícios.

“O investigado respondeu a dois processos criminais e foi condenado a mais de 9 anos de reclusão em razão dos crimes de estelionato e do crime de tráfico de influência. O suspeito informava às suas vítimas que possuía contatos na justiça e na Polícia e que nunca seria investigado. No entanto, mesmo após sua condenação e determinação da prisão, Francismárcio fugiu dos endereços conhecidos e permaneceu foragido por mais de um ano”, disse o delegado Lucas Sá.

Na hora da abordagem policial, Francismárcio resistiu à prisão e teve que ser imobilizado pela equipe da DDF. Ele foi ouvido pela autoridade policial e em seguida levado para a carceragem da Central de Polícia no Geisel para aguardar pela audiência de custódia.

Da redação(wscom) com assessoria