Reunião para escolha de comissões termina em muito bate boca entre vereadores, documentos rasgados e xícaras quebradas 

A reunião que seria para a escolha dos membros que irão compor as comissões permanentes da Casa Juvenal Lúcio de Sousa de Patos terminou em muita confusão, bate-boca, documentos rasgados, copo de água voando pelos ares e xícaras quebradas, na manhã desta segunda-feira (1º).

 

 

Dos vereadores presentes, Marcos Eduardo(PMDB), Maria José Venâncio(PRP), Ivanes Lacerda(PSDB), Almir Mineral(PSDB), Zé Mota(PMDB), Ranieri Ramalho(PMDB), Chico Bocão (PMDB), e Edmilson Araújo (PRP), ninguém se entendeu.

A confusão teria iniciado após os vereadores Zé Motta e Edimilson Araújo serem comunicados que haviam sido substituídos das lideranças dos seus partidos na Câmara. O fato acabou gerando revolta, pois eles não queriam aceitar. Zé Motta foi trocado por Chico Bocão enquanto que Edimilson por Peteca.

A decisão foi tomada no final de semana pelo PMDB e PRP em assembléia extraordinária das duas legendas. Os seus presidentes Edivaldo Gurgel e Paulo Lacerda, respectivamente, enviaram notas à imprensa comunicando as decisões dos partidos.

Na quinta-feira os vereadores Ivanes Lacerda, José Motta e Edimilson Araújo haviam apresentado um documento de decisão dos seus partidos no qual eles tinham sido escolhidos como líderes do partido aos quais eles pertencem. E como líder de cada partido, eles tem o direito de indicar os componentes das comissões permanentes segundo o artigo 22, inciso 3º do Regimento Interno da Casa.

Ao chegarem na reunião desta segunda-feira, os três vereadores acabaram sabendo que além de não serem mais líderes, não tinham sido colocados em nenhuma comissão. Ao saberem que tinham sido substituídos, começou o bate boca acalorado entre os vereadores que resultou em documentos rasgados, copo de água voando pelos ares e até xícaras de café quebradas. Quem teria jogado o que, a fonte não quis informar. O fato é que ninguém se entendeu e houve até troca de insultos pessoais com promessas de desdobramentos no futuro.

Tanto José Motta como Edimilson disseram que não iam aceitar serem substituídos de última hora e que não iriam reconhecer as novas lideranças nem tampouco as novas atas apresentadas pelos partidos que prevêem a troca dos líderes.

As substituições das lideranças teriam sido justamente por conta do descontentamento dos partidos com o comportamento apresentados pelos três vereadores na semana passada na volta dos trabalhos legislativos da Câmara.

Clima tenso entre os parlamentares começou na semana passada

O clima tenso entre os vereadores e o presidente da Câmara Municipal de Patos, Marcos Eduardo(PMDB) iniciou desde a semana passada. Na última sexta-feira (25) um incidente acabou se transformando em denúncia junto ao Ministério Público do Estado contra a presidência pelo fato dos vereadores Ivanes Lacerda (PSDB), José Motta (PMDB) e Edmilson Araújo(PRP) encontrarem a Casa Juvenal Lúcio de Sousa totalmente fechada em horário de expediente.

Os vereadores tinham sido informados que naquele dia haveria reunião para escolha de membros das comissões mirins permanentes. No entanto, ao chegarem a Casa, foram impedidos de entrar no prédio da Câmara, pois estava fechado. Ivanes, Zé Motta e Edmilson acusaram o presidente do Poder Legislativo patoense, Marcos Eduardo (PMDB), de realizar manobra política justamente no dia em que haveria a reunião.

Eles criticaram o presidente pelo adiamento da reunião sem prévio comunicado, e também por terem sido impedidos de adentrar na Casa Juvenal Lúcio de Sousa. O fechamento da Câmara acabou sendo denunciado ao Ministério Público.

"Eu nunca vi isso na história política de Patos. Tínhamos uma reunião marcada para a escolha dos nomes que iriam compor as Comissões Permanentes. Viemos indicar as nossas posições e o presidente havia mandado fechar a Casa porque não queria que a reunião fosse hoje. Ou seja, ele desrespeitou o Regimento, como faz costumeiramente" relatou, Ivanes Lacerda.

Mais tarde, o presidente Marcos Eduardo explicou o fechamento. Segundo ele, o prédio foi totalmente fechado por conta de uma detetisação feita em todo o prédio. A reunião foi adiada, portanto, para esta segunda-feira, às 9h, o que deixou ainda mais irritados os vereadores que foram informados pela imprensa.

Veja o que diz o Regimento Interno sobre a escolha das lideranças:

                                             Capítulo IV
                                       DAS LIDERANÇAS

Art. 22. Líder é o porta-voz de uma representação partidária ou de agrupamento de representações partidárias e intermediários autorizados entre ela ou elas e os órgãos da Câmara Municipal e do Município.
§ 1°. Cada bancada terá um líder, e, no máximo, dois vice-líderes.

§ 2°. As bancadas deverão indicar à Mesa, através de documento subscrito pela maioria de seus membros, no início de cada Sessão Legislativa, os respectivos líderes e vicelíderes
e na mesma forma, podendo substitui-los a qualquer tempo.

§ 3°. Cabe ao líder a indicação de membros de sua representação para integrarem comissões permanentes e dos respectivos substitutos, no caso de impedimento ou
vacância.

§ 4°. O líder será substituído, nas suas faltas, impedimentos ou ausência do recinto do plenário, pelos respectivos vice-líderes.

§ 5°. É facultado ao Prefeito indicar através de ofício dirigido à Mesa, Vereador que interprete o seu pensamento junto à Câmara Municipal, para exercer a liderança do Governo, composto de Líder e um Vice-Líder.

§ 6º. São Atribuições do Líder:
I - fazer comunicação de caráter inadiável à Câmara Municipal por cinco
minutos, vedados os apartes;
II - indicar o orador do partido das solenidades;
III - fazer o encaminhamento de votação ou indicar Vereador para substituí-lo
nesta função.

                                                Seção I
                                      DA COMPOSIÇÃO
Art. 49. Os membros das Comissões Permanentes serão escolhidos para às integrar por período de um ano, permitida a recondução.

Art. 50. Na composição das Comissões Permanentes, nos três dias imediato ao da indicação dos lideres, no início da Legislatura, e nos três primeiros dias úteis do ano para as
demais Sessões Legislativas, os líderes, de comum acordo e observada a proporcionalidade partidária, indicarão os membros das respectivas bancadas que as integrarão.

§ 1º. Na constituição das comissões permanentes, para efeito de composição, figurará sempre o nome do Vereador efetivo ainda que licenciado.

§ 2º. A constituição das comissões permanentes far-se-á na primeira semana da Sessão Legislativa.

§ 3º. Constituída as comissões permanentes, reunir-se-á cada uma delas para, sob a presidência do mais idoso dos seus membros presentes, proceder a eleição do Presidente
, Vice-Presidente e Relator.

§ 4º. Os membros das comissões permanentes serão destituídos caso não compareçam a cinco reuniões ordinárias consecutivas.

Fonte: Hora Exata